Home / Destaque / Carta Pastoral – Fé e Cidadania

Carta Pastoral – Fé e Cidadania

IMG-20180422-WA0033 (1)Minhas saudações em Cristo Jesus! Nesta Carta quero refletir com vocês a dimensão da Fé e da prática Cidadã. Por meio de uma Fé viva e esclarecida nós crescemos na compreensão da Missão recebida do Senhor Jesus no dia da Consagração Batismal, de maneira especial, sendo Sal e Luz neste Mundo. Ao assumirmos o compromisso de sermos sal e luz obrigatoriamente construímos uma Prática Cidadã sólida.

A Nossa Fé se alimenta na Escuta da Palavra de Deus, na acolhida dos Sacramentos da Igreja, em especial, no compromisso da participação na Santa Missa e na união com todos os irmãos, que apesar de seus pecados aceitam viver em Comunidade, assumindo os compromissos de pertença ao Corpo de Cristo que é a Igreja. É muito triste vermos irmãos, que por colocar as dificuldades da caminhada comunitária acima dos valores que recebemos da Igreja, se afastarem das obrigações batismais colocando em risco a sua própria Salvação. Exorto a todos a reavivar o compromisso da participação, em especial, àqueles que estão ligados ao Processo catequético (responsáveis e catequizando); lembro a todos, que a falta com os compromissos comunitários fundados no comodismo e no egoísmo impedem a recepção dos Sacramentos. Nesse sentido todos os Crismando são chamados a exercerem atividades na Comunidade. Neste compromisso de participação está presente a nossa prática de Dizimistas.

A Nossa Consciência Cidadã vai crescendo na medida em que nos comprometemos com a construção de uma nova Ordem Social, na qual todos tenham seus Direitos respeitados e jamais deixem de realizar os seus deveres. Somos brasileiros e não abriremos mão de sermos republicanos, isto é, tudo o que acontece neste País diz respeito a minha e a sua pessoa. A responsabilidade de zelar pela República do Brasil, necessariamente requer a Prática da Democracia, que vai se libertando dos seus Males e Vícios, que obstaculizam a sua força em favor do Bem Comum. A Prática Democrática requer dois momentos complementários: o Momento Representativo (votar com honestidade cidadã) e o Momento Participativo (ser atuante em todos os segmentos da Sociedade, em especial nos Conselhos de Cidadania). Ao assumirmos nossa responsabilidade pela nossa força representativa (autoridades eleitas pelo voto) e tendo uma Prática Participativa em Sociedade cooperamos imensamente pela estabilidade dos Três Poderes da República: o Legislativo, O Executivo e o Judiciário; toda a força de um Povo passa necessariamente por essas Três Instâncias.

Estamos às portas de uma nova eleição e vivemos um momento de muita confusão eleitoral, sendo assim todo cuidado é pouco, devemos nos preparar bem por meio de reflexões e debates, tomando consciência dos perigos dos Meios de Comunicação social, que se colocam à serviço dos interesses escusos. É comum, muitas vezes ficarmos cegos e nos deixar seduzir facilmente por “Salvadores da Pátria” ou por propostas que vão na contra mão dos Ensinamentos de Jesus Cristo no seu Evangelho, e temos a certeza que somente o seu Ensinamento é que contém a Verdade que liberta Todo Homem, lhe garantido Vida em abundância.

  Pe José Vicente Monteiro                                                                                                                            Administrador Paroquial e Reitor do Seminário Maior Rainha dos  Apóstolos

Deixe seu comentário