Home / Destaque / Bento XVI afirma que humanidade está à espera da misericórdia

Bento XVI afirma que humanidade está à espera da misericórdia

“É a misericórdia que nos move para Deus, enquanto a justiça nos assusta, em relação a Ele”, afirma Bento XVI

O Papa emérito Bento XVI elogiou o caminho seguido pelo seu sucessor, Francisco, ao decidir valorizar o tema da “misericórdia”, particularmente importante para a sociedade contemporânea.

bento-XVI

“Só onde há misericórdia tem fim a crueldade, acabam o mal e a violência. O Papa Francisco está completamente de acordo com esta linha, a sua prática pastoral exprime-se precisamente no fato de falar continuamente da misericórdia de Deus”, disse o Papa emérito, em uma rara entrevista divulgada nesta quarta-feira, 16, pelo jornal do Vaticano, ‘L’Osservatore Romano’.

O texto transcreve na íntegra o depoimento de Bento XVI ao jesuíta Jacques Servais, publicado no livro ‘Por meio da Fé. Doutrina da justificação e experiência de Deus na pregação da Igreja e nos exercícios espirituais’ (2016), no qual o Papa emérito fala da centralidade da misericórdia na fé cristã.

“É a misericórdia que nos move para Deus, enquanto a justiça nos assusta, em relação a Ele. Do meu ponto de vista, isto evidencia que por baixo da camada de autossegurança e da sua própria justiça, o homem de hoje esconde um profundo conhecimento das suas feridas e da sua indignidade”, refere.

Humanidade está à espera da misericórdia
Para Bento XVI, cujo pontificado se concluiu a 28 de fevereiro de 2013, a humanidade atual “está à espera da misericórdia”.

“Não é por acaso que a parábola do bom samaritano é particularmente atraente para os nossos contemporâneos. Não só porque está fortemente sublinhada a componente social da existência cristã ou porque nela o samaritano, o homem não religioso, aparece por assim dizer como aquele que age de modo verdadeiramente conforme a Deus”, refere.
O Papa emérito defende que continua a existir uma percepção da “necessidade da graça e do perdão”.

Sinal dos tempos
“Para mim, é um ‘sinal dos tempos’ o fato de que a ideia da misericórdia de Deus se torne cada vez mais central e dominante”, explicou.

Num mundo dominado pela tecnologia, “em que os sentimentos já não contam”, o predecessor do Papa Francisco vê aumentar “a espera de um amor salvífico que seja oferecido de forma gratuita”.

“Parece-me que o tema da misericórdia divina exprime de um modo novo aquilo que significa a justificação pela fé”, realça Bento XVI.

A Igreja Católica está a viver até novembro o terceiro ano santo extraordinário da sua história, convocado pelo Papa Francisco para a celebração do Jubileu da Misericórdia.

Outros aspectos
A entrevista de Bento XVI espalha-se por duas páginas da edição em italiano do jornal do Vaticano, com referências à importância da fé, que não é “produto da reflexão” ou procurar “penetrar na profundidade do ser”.

Em seguida, o Papa emérito explica que a Igreja não é uma “assembleia de homens com ideias em comum” que as propõem aos outros.

Sublinhando que na segunda metade do século XX se afirmou a consciência de que “Deus não pode deixar ir para a perdição todos os não batizados”, Bento XVI rejeita as “teorias pluralistas das religiões”, que fazem de todas elas “caminhos de salvação” equivalentes.

Da redação da Canção Nova com Agência Ecclesia

Deixe seu comentário